sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Meu ódio é o melhor de mim

Esse post, é de abril, mas acordei com ele na cabeça hoje. Ou melhor, fui dormir com ele na cabeça ontem! E me deu vontade de republicar. Porque sim, meu ódio é o melhor de mim! E é nele que eu me apego quando a coisa aperta! Segue...

Ok, é meio agressivo esse título, mas o tema desse post é justamente esse. Pode ser também fúria, raiva, ira...Chame do que quiser! Existe uma gama de nomes feios para definir esse sentimento.

Mas se você analisar melhor, ele nem é tão feio assim. A raiva move as pessoas, faz a roda girar. Por exemplo, quando você está aprendendo a andar, leva um tombo, fica puto e se esforça para não cair mais. E assim ganha equilíbrio e vai para vida como um bípede.

Se emputecer é essencial. A gente precisa ser agressivo para ter coragem de sair da cama todo dia, enfrentar (não é por a caso que o termo usado é esse) o trânsito, o trabalho, as pessoas e os problemas que elas causam.

Quando você se decpciona com algo ou alguém o primeiro sentimento que vem é o de indignação. E é ela que te faz querer mudar tudo e te empurra pra frente, deixando o motivo do sua ira para trás.

Mas oh, eu não estou falando de rancor, mágoa e afins. Esses só fazem com que você se acorrente mais ao que te machuca. Mas a falta de indgnação pode causar apatia e gerar assassinos de cinemas, escolas e universidades.

Por isso, que hoje meu nick é esse, bem agressivo e humildemente chupinhado do grande Drumomnd:

"Porém meu ódio é o melhor de mim.
Com ele me salvo
e dou a poucos uma esperança mínima."


;-)

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Chico

Há nada como um tempo
Após um contratempo
Pro meu coração
E não vale a pena ficar
Apenas ficar chorando, resmungando
Até quando, não, não, não




Ai ai, ai...Só ele consegue sentir como uma mulher e ser, ao mesmo tempo, tudo que uma mulher quer...

Já Foi

Artista: Cidade Negra

Aaaai, eu sei. Tenho até vergonha de gostar dessa música e mais ainda do Tony Garrido. Principalmente quando ele atacou de ator no cinema. Mas ok. O que me importa agora são as palavras da Xiliquenta com as quais eu me identifico neste exato momento. Caiu SUPER bem...

Te dei minha vida
e uma parte do meu coração
Esquece nossas dívidas
Bom caminho é liberdade
Bom caminho não é prisão

Te dei minha vida
e uma parte do meu coração
Esquece nossas dúvidas
Bom caminho é liberdade
Bom caminho não é prisão

Quando um sentimento voa
Bate asas algo de bom
Sentimento alado
Choro Chorado

Pare de reclamar da vida
Não adianta se você fez o que fez
Não adianta achar chave pra partida
Se você não está disposto a correr

Riscou, apagou da minha vida
Em minha poesia não tem mais, já não tem seu nome
E, acabou, já foi, eu não quero estar só mas já estou
E, acabou, chegou ao fim
Se eu não quero acreditar a dor que me faz despertar


Tô procurando o vídeo no YouTube, mas acho que não tem...

;-D

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

S.O.S

Não, não quero que ninguém me resgate. Só quero dividir mais uma inutilidade com vocês. Ontem fui fazer uma pauta no Hospital Israelita Albert Einstein, voilá! Eles estavam inagurando um Centro de Simulações Realísticas. Sim, REALÍSTICAS! O nome é bunda, mas o lance é tão prafrentex (adouro essa gíria idosa) que vale o neologismo.

O lance é assim: eles compraram* uns robôs para substituir pacientes no treinamento de médicos, enfermeiros e afins em situaçãoes difíceis de socooro urgente. Os bonecos fazem de um tudo. Respiram, têm pulsação, piscam, dilatam as pupilas mijam e vomitam! São capazes até de ter uma parada cardíaca. Calma pessoal, é tudo fake!

Mesuras a parte (carai, tô ficando velha mesmo!),começa a demosntração para a imprensa. Sim, nós, da imprensa temos essa pretensão de achar que sabemos de tudo antes. E sabemos.

A coisa envolve vários cenários, para várias situações. A idéia é simular um acidente de carro envolvendo pai e filho. Pai gravemente ferido e filho tresloucado por isso. A idéia é demonstrar a prestação de socorro médico e os procedimentos cirúrgicos a serem adotados no caso.

Ok, de repente o ator, que atuava como O filho e interagia com o bonecoBARRArobô, começa a gritar coisas como "SOCORRO, MEU PAI, SOFREMOS UM ACIDENTE, ALGUÉM ME AJUDE!" Tudo isso com uma sirene soando de fundo.

Inicialmente eu quase pulei da cadeira de susto. Depois fui tomada por uma súbita vontade de rir, lógico. A produção toda era uma coisa meio Televisa, com direito a gelo seco. Me controlei. Só que a intensidade e frequência dos gritos de pânico aumentaram e eu comecei a ficar tensa. E concluí, EU NÃO GOSTO DE GRITOS!

Gente, eu falo alto, tenho nível quatro no ranking Abafa Audio**, mas gritar é muito agressivo! Aquele cara aos berros me incomodou muito. Fico mal. Se alguém começa a gritar comigo, ou com alguém perto de mim meu coração já dispara. Acho que morri de berros na última encarnação. Resumindo, eu odeio brigas, rusgas, tretas, embates, surtos, discussões calorosas que terminam com sangue no zóio e veias proeminentes na testa. Pânico, terror e aflição!

Saco! Por isso, meu sonho é sem dúvida a Paz Mundial. Com muito queijo, claro.

*Um deles custa SÓ meio MILHÃO de RRRReais! Acho que me apaixonei por ele...


**Ranking Abafa Audio:
1º Elaine Rezende
2º Beto Macedo (em potencial vocálico)
3º Joana
4º Essa que vos fala

As mulheres e o bico de pato!

A melhor notícia do ano:
OS BICOS DE PATO AGORA SÃO DE PLÁSTICO DESCARTÁVEIS!


Quem é mulher sabe bem o que eu quero dizer com isso...

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Ressaca

Da última vez que sentei aqui pra falar eu tava na lama. Tipo, coberta de lodo saca? Tanto que nem escrevi nada. Mandei um Cartola depresão(Se bem que Cartola deprê é pleonasmo). Mas ok, era o que refletia meu estado de espírito no momento.

De lá pra cá muita coisa aconteceu. A menstruação desceu e eu, por fim, melhorei. E cá estou, sem nada pra dizer, sem ter do que reclamar, nem tão pouco rancorizar. Quer dizer, a gente sempre tem um rancorinho para compartilhar né? Mas eu não tô no mude não.

Tá tudo calmo. Como se fosse uma ressaca de TPM, sabe? É como se tudo que eu tinha para reclamar, rancorizar e agredir eu o fiz na semana passada. Logo, não sobrou nada. O que de certa forma é bom. Porque num dá para ficar sempre reclamando, rancorizando e agredindo.

Afinal, sou bacana e quero que as pessoas que gostam de mim continuem gostando. Além do mais, uma semana por mês de escrotisse já basta. É isso, um texto ok, para um momento ok. Mais do mesmo.

Na verdade, só escrevi para não deixar de escrever...

;-)

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Preciso me encontrar...

Faço minhas estas palavras...

Cartola - Preciso Me Encontrar
Candeia

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra nao chorar.

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra nao chorar.

Quero assistir o sol nascer,
Ver as águas dos rios correr,
Ouvir o pássaros cantar,
Eu quero nascer quero viver...

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra não chorar.

Se alguem por mim perguntar,
Diga que eu só vou voltar,
Depois que eu me encontrar...

Quero assistir o sol nascer,
Ver as águas dos rios correr,
Ouvir o pássaros cantar,
Eu quero nascer quero viver...

Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra nao chorar.


Deixe-me ir preciso andar,
Vou por aí a procurar,
Rir pra nao chorar.


Uma última pergunta: Como o samba consegue ser tão alegremente triste?

:-l

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Vergonha própria

Muita gente diz que sofre de vergonha alheia. Eu também já disse isso várias vezes e sofri de fato. Mas andei refletindo e concluí: nada é pior do que a vergonha prórpia. Afinal, ela é sua, só sua.

Eu me toquei disso, porque várias vezes me vejo em situações vexatórias nas quais eu mesma me coloquei. Não posso nem transferir a culpa, poxa! Nos casos de vergonha alheia você se esbalda (não na hora, porque é constrangedor de mais), mas na própria você só quer que a Terra se abra e te sulgue para dentro.

Eu sofro de vergonha própria com esse blog, por exemplo. Sempre penso a cada post que publico que isso é um BO de vexames espontâneos. Escrevo milhões de baboseiras, que por algum motivo concluí que deviam ser publicadas. E o pior é que não pára por aí. Eu insisto para que as pobres almas, que as vezes chamo de amigos, leiam! Só para coroar a derrotra!

Ai que vergonha própria!

:-S

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Mulheres falam..

Eu sei que todo mundo fala, mas nós mulheres falamos MESMO. A gente fala quando tá triste e fala mais ainda quando tá feliz. O lance é externar. Não interessa o que.

Não, não é fofocar. Homens também fofocam, até mais do que mulheres. Aliás, a fofoca move o mundo, ajuda a fechar negócios e gerar divisas. Eu não escolhi tal profissão por acaso. Afinal, quero brevê pra fofocar.

Mas aqui o tema é outro, estou falando só do simples hábito de abrir a boca e deixar as palavras fluirem como música. E esse dom nós, enquanto gênero, temos. Ah se temos.

A gente fala do tempo, da falta dele, de óvinis, novela, cientologia e futebol. Vamos do PAC ao SPFW sem escala. Falamos bem, falamos mal, falamos! Na feira, no cinema, na lixeira do condomínio.

É como se a necessidade de compartilhar o que passa na nossa mente fosse mais forte do que todo o bom senso que nos foi passado. E aí vamos nós, mostrando para o mundo tudo que nos atinge. E até o que não passa nem perto.

E olha, quando você vê uma mulher calada, das duas uma: ou ela está MUITO, mas MUITO chateada, a ponto de não querer nem dividir o sofrimento (e está só esperando que você pergunte o porquê do silêncio) ou ela está no MSN.

Já os homens não têm essa necessidade. Acho incrível como eles tem o dom de se calar. Isso pra mim é quase mágico. Já que sou um ícone falador do gênero (sim, eu falo mais que a média).

Quando eu fazia engenharia (sim, eu fiz engenharia por três anos e meio) tinha algumas aulas que eu assistia com a turma dos meninos. Ou seja, todo o resto da faculdade que não havia optado por eng de alimentos. Nesse momento eu pude perceber essa peculiaridade da natureza humana.

Na aula de Cálculo 2, da turma de eng macânica, a proporção era três por quarenta (3 mninas para cada 40 meninos, sendo que tinham SÓ três meninas). Duas delas eram absolutamente nerds, em todos os sentidos que essa palavra possa ter, e a outra era eu. Deus! Nunca me senti tão só! Ninguém naquele ambiente abria a boca pra falar! A não ser que fosse algo sobre derivadas e integrais.

Eu me pergunto: como eles conseguem ficar absolutamente calados por 50 MINUTOS??? Lógico que abandonei a engenharia e fui em busca do meu brevê (aquele pra fofocar).

Acho que é uma questão de genética, ligada ao cromossomo X da falta de foco. O mesmo que nos dá a capacidade de parir e fazer sexo ao mesmo tempo. É gente, nós mulheres somos multimídia, fazemos mil coisas simultâneas. Somos capazes de fazer o jantar lavar a roupa e fechar um projeto das 19h às 23h. Enquanto os homens precisam de 100% foco.

É isso, nós somos stereo e eles são mono. Ponto!

PS.: Eu falo que não, mas adoro questões sexistas!

;-)

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Evidências...

É, hoje eu acordei assim, com o pé na Terra Média. Acho que foi por que estive em Campinas ontem para cobrir um evento e na volta pra SP vim na cabine batendo papo com o motorista, que me fez relembrar as reaízes.

E pra completar na volta do almoço hoje ficamos cantando em coro unissono aqui na redação os seguintes refrões:

Quando eu digo que deixei de te amar
É porque eu te amo
Quando eu digo que não quero mais você
É porque eu te quero
Eu tenho medo de te dar meu coração
E confessar que eu estou em tuas mãos
Mas não posso imaginar o que vai ser de mim
Se eu te perder um dia
Eu me afasto e me defendo de você
Mas depois me entrego
Faço tipo, falo coisas que eu não sou
Mas depois eu nego
Mas a verdade é que eu sou louco por você
E tenho medo de pensar em te perder
Eu preciso aceitar que não dá mais
Pra separar as nossas vidas
E nessa loucura de dizer que não te quero
Vou negando as aparências
Disfarçando as evidências
Mas pra que viver fingindo
Se eu não posso enganar meu coração
Eu sei que te amo
Chega de mentiras, de negar o meu desejo
Eu te quero mais que tudo
Eu preciso do teu beijo
Eu entrego a minha vida
Pra você fazer o que quiser de mim
Só quero ouvir você dizer que sim
Diz que é verdade, que tem saudade
Que ainda você pensa muito em mim
Diz que é verdade, que tem saudade
Que ainda você quer viver pra mim
Eu me afasto e me defendo de você
Mas depois me entrego
Faço tipo, falo coisas que eu não sou
Mas depois eu nego
Mas a verdade é que eu sou louco por você
E tenho medo de pensar em te perder
Eu preciso aceitar que não dá mais
Pra separar as nossas vidas
E nessa loucura de dizer que não te quero
Vou negando as aparências
Disfarçando as evidências
Mas pra que viver fingindo
Se eu não posso enganar meu coração
Eu sei que te amo
Chega de mentiras, de negar o meu desejo
Eu te quero mais que tudo
Eu preciso do teu beijo
Eu entrego a minha vida
Pra você fazer o que quiser de mim
Só quero ouvir você dizer que sim
Diz que é verdade, que tem saudade
Que ainda você pensa muito em mim
Diz que é verdade, que tem saudade
Que ainda você quer viver pra mim
Diz que é verdade, que tem saudade
Que ainda você quer viver pra mim


Oh, num achei a original no YouTube, então vai essa mesmo:



Um cráaaassico do karaokê!
;-)