quinta-feira, 20 de agosto de 2009

doze rascunhos

Doze rascunhos nenhum texto publicado. Não por nada, não por nada, mesmo. Nada de impublicável. Mas também nada de compartilhável. Só mais do mesmo. E do mesmo, mesmo. E quando não se tem mais do que samba e bossa pra dizer. Melhor calar. Deixar assentar. Parar. Mesmo porque tudo a minha volta se move, sem mim. Entre aspas. Porque eu nunca paro. Acontece. Mesmo que eu não queira, mesmo que eu queira que pare. Queria o devagar. Devagar em mim. Lento. Menos. Menos pressa. Menos palavras. Menos pensar. Menos supor pensamentos. Mas não dá.

Eu tento, mas não dá.

3 comentários:

Mar e Ana disse...

Tá certo... Melhor esperar um pouco que logo vc cria alguma coisa que vc ache que valha a pena! A gente sempre tem esses rascunhos que são rascunhos hahahha

:***

Joaninha disse...

P H O D A o desabafo.

gremunhoz disse...

E ainda vem nego me dizer que no ócio não se cria. Tá bom! Olha você aí POETANDO sobre o 'não dá'. LINDA.