quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Diferente de quem, cara pálida?

Desde que cortei o cabelo tenho chamado mais atenção que o normal. Já sou meio escandalosa, tenho uma voz grave, falo alto e também não sou das mais mignons (ai que boa vontade com as 5 @’s que me pertencem!).

Pois é, desde que dei aquela tosa no cabelo, e finalmente, cantei pra subir um black power, só dá eu chocando no busão. E agora, com o cabelo mais original que já tive na vida (no sentido de origem, pq esse é meu cabelo puro e simples) ouço coisas como: nossa! Você é tão diferente!

DIFERENTE DE QUEM CARA PÁLIDA? De você? Graças! Dos outros negros do mundo? Nem tanto. Dos ETs? Com certeza!

Tá bom, eu também dei uma clareada nas madeixas, e isso ajuda no choque. Mas aposto que 11 em cada 10 mulheres pintam o cabelo nesse País!

E o melhor de tudo é a aura glam que agora me persegue: "Você só pode ser cantora". Ah é? Ninguém além da Vanessa da Mata pode assumir um sarará, assim impunemente??? Trabalhar num banco? Não com esse cabelo, que é puuuro estilo!

Sem contar que enquanto ele era comprido eu era obrigada a evitar salões de beleza. Onde eu entrava vinha uma maldita querendo tacar uma boa dose de formol na minha cabeleira. "Faz uma progressiva nele, boba!" Nãaaao! Posso não querer alisar meu cabelo, posso?

Olha, sei que a gente se pauta pelo que vemos e por conceitos que já conhecemos. Eu tb faç isso. Mas ai, chega uma hora é preciso desapegar um pouco dos estereótipos e preconzinhos datados.

Pois é, eu sou negra, pus os cabelos pra cima e fodam-se todos. Não, não sou cantora, nem atriz, nem capa da Sexy edição espcial afro-descendentes. Nem faço nada tão glamuroso ou célebre. Sou só uma jornalista, pobre loka e convencional em quase todos os aspectos da minha vida. E a única diferença que existe está na cabeça de quem me vê!

10 comentários:

Joaninha disse...

Nego acha que com cabelo "diferente" não dá pra ser bancária. E, ao mesmo tempo, acha que se alguém quiser ser "artista", é só cortar um cabelo "diferente".

Negócio de ter dom, voz, memória, angústia existencial, estudo, cultura, bagagem, repertório é pros fracos. Imprescindível mesmo, só a imagem.

Gabi disse...

Gata, o lance é que você é uma preta linda, loira e de black power. Nao tem cara de bancária mesmo, sorry.

Mas isso é bom, né não? =D

um beijo

Pedro Jansen disse...

acho incrível a necessidade que as pessoas tem de serem negativas em coisas simples como um corte de cabelo.

no fim, prevalece a regra: "eu gostei, e assim segue a vida".

e que bom que gostou do texto. apareça sempre. =]

bjomeliga disse...

Ah, mas eu vou começar a falar pra geral que você é cantora. Sei lá, dar um glamour nas amizades \o/

E eu não pinto o cabelo, ok?

Rogério disse...

Gostei!

voltarei com frequencia!

RodOgrO disse...

Vc não se atreva a alisar seu cabelo!! Ia tirar toda a graça. Algo meio Sansão, mas sem ficar careca. Tipo se o Sansão perdesse os poderes por causa de Alisabel... (é assim que escreve sapôrra?)

Cãmi disse...

Por culpa sua acharam que eu era 'do teatro'.
Culpa sua!
bjus

Lu disse...

dá-lhe cabeleira, cabeluda, descabelada....
que saco isso de quem tem cabelo afro ter que alisar... pra quê???
tenho uma colega que tem cabelo bem crespo e vive brigando com ele e de vez em quando faz uma escova pra "melhorar" o visu.
o meu sonho é ver ela um dia com cabelo a la Vanessa da Matta.
eu aconselho, falo, peço, mas ela nem me dá bola e ainda me zoa pq diz que eu falo isso pq tenho cabelo "bom".
pode?
eu só tenho um cabelinho um pouco mais liso, mas tenho meu pezinho bem lá na África sim senhor a e minha familia é mais da metade negona mesmo... claro, eu saí assim meio branquela.... cabelo meio liso, meio crespo e ainda por cima um "pingo de cabelo". pareço, mas não Sou branca NÃO!!!!
bJS

Anônimo disse...

É isso aí Larryyyyy!! Vc é demais amigaaaa!!! Viva a Larissa, viva tudo (e viva o Chico Barrigudo rsss)!!
Bjs, Patiti!!

Marcos Laercio disse...

Meu, mas como fazia tempo que eu nao sentava no puff...
Lari sem cabelo enrolado nao é lari, a regra é clara quanto a isso.
Morte ao Alisabel, Alisacram e afins - pelo menos, para voce!