sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Nêga do cabelo duro

Então, pode ser uma surpresa pra alguns de vocês, mas eu sou neguinha. Há! E como toda negrinha colonizada desse país passei um tempo da vida tentando ter cabelo liso. Não, não em orgulho disso.

Mas como a adolescência é um mal que passa, essa época se fuê e com ela o rancor capilar. E já faz alguns bons anos que convivo bem com a minha juba crioula. Tanto, que esse ano, passei a tesoura do desejo de mudar e assumi de vez um sarará. E tô amando (de deus e do diabo). Há!

Pois é, com uma juba armada de dar inveja a qualquer copa de árvore eu sigo feliz. E tô tão da metida que tenho a petulância de virar fonte. Pois é, a Gabi veio me pedir pra dar dicas capilares pra quem é da minha hora (umas oito e meia, quinze pras nove). E como eu já sofri muito, capilarmente falando, nesses 30 anos de negritude sem referências, achei bacana dividir com o mundo aquilo que faço por um cabelo melhor.

Quem for assim da minha cô pode ir lá dar uma olhada (e quem não for pode repassar pra quem é). Tudo que tá lá é conhecimento empírico viu negrada?!
Beijos nagô pra vcs!

Ps.: isso não é um post pago.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Complementando

Como eu comi o item três do texto anterior com farinha, deixo a cargo de vocês a função de elaborar mais um motivo para amar o horário de verão.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Ele também veio

Eu não queria falar sobre horário de verão, aliás, mentira. Eu queria sim! Tanto que estou falando. E desde que viraram-se os relógios, já falei sobre o tema com várias pessoas. Ah, é que eu faço parte do grupo que adora e defende. Tanto o horário, quanto o verão.

Por motivos óbvios eu não preciso elocubrar sobre o segundo. Mas sobre o primeiro eu quero enumerar algumas vantagens. Até porque ele já acontece TODO ano no Brasil há pelo menos 70 ANOS (e no mundo todo há muito mais tempo), e nego ainda não se acostumou.

Segue:

1-Acontece durante o verão.

2-Permite que a gente saia do trampo com uma ponta de sol. Ou pelo menos nos dá essa esperança.

4-Durante pelo menos uma semana vira desculpa incontestável para atrasos matinais de toda ordem (tipo, estou me adpatando ao novo horário). A desculpa vale pra volta ao horário velho tb.

5-Faz a tarde de sábado no boteco ser mais longa. E a do domingo também. E qualquer outra que você quiser.

6-Tem TU-DO a ver com praia. Porque simplesmente alooonga o nosso prazer praieiro.

7-Economiza energia (a redução no consumo esperada esse ano é de 4% a 5% no chamado horário de pico. Isso representa uma economia de cerca de 2.000 MW*)

8-Às vezes engloba o carnaval (Melhor e maior feriado éva. Se você não curte ter 4 dias obrigatoriamente livres ao ano esse problema é só seu).

9-Você perde uma hora quando ele começa, mas ele é tão bacana que quando acaba você ganha essa hora de volta. E geralmente é no sábado também. Ó, que vantagem!

10-Só pra inteirar 10 vantagens: Eu fico mais feliz nessa época do ano.

* dados do ONS - Operador Nacional do Sistema Elétrico

ps.: O horário de verão foi criado por Benjamin Franklin, em 1784, nos Estados Unidos. Ele se ligou que, durante alguns meses no ano, o Sol nascia antes do usual e concluiu que essa luz natural poderia sem aproveitada se a negrada acordasse mais cedo.

Mas foi só na Primeira Guerra Mundial, em 1916, que a Alemanha resolveu adotar a idéia. Obviamente para economizar energia durante o conflito. Na época, a principal fonte de energia era o carvão
.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Ele veio

Hoje acordei em paz, com mais fé na vida e no amor. Talvez seja influência do sol, que depois de semanas de frio e chuva veio com picos de 34º. Pode ser também só cansaço.

Cansaço de uma vida inteira de desgaste ao tentar carregar nas costas sentimentos pesados. Fardos que só agora decidi deixar para a trás, ao menos, só agora que percebi que posso fazê-lo. E o mais irônico é que não está sendo difícil abandoná-los. Até porque não há tarefa mais árdua do que carregar tudo dentro de si. Nem mesmo o que é bom.

Tudo bem que todo esse estado de ser pode mudar de novo e posso voltar atrás na tentativa de recolher os farrapos abandonados outrora por mero apego ao que vivi um dia e me trouxe ao que sou hoje. Talvez essa seja a maior dificuldade em me livrar dessa bagagem. A percepção que tenho de que ela me define.

Mas o cansaço tem obrigado a me tornar mais leve. As pernas já não agüentam mais tanto peso e a caminhada tem que continuar. Mesmo que a trilha seja em espiral e às vezes bata uma sensação de deja vú ao percorrer um novo caminho. Porque é só uma sensação.

Mas o que importa é que hoje eu acordei com o sol e estou assim, em dia com a minha paz e fé na vida e no amor. E quando meu cabelo tá bom, nada me abala!

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Ditado do dia

Cururu que foge da lagoa quando esquenta morre seco!

sábado, 11 de outubro de 2008

Top five estupidez life style

Ele fez um post que nem era para ser um meme, mas eu achei a idéia boa e pedi permissão para copiar. E o pior, ele autorizou! Então lá vai os meus cinco maiores momentos de estupidez. Veja, não que existam só esses e que esses sejam os piores, a escolha foi baseada apenas nas falta de capacidade de armazenar infos. Até pq os piores MESMO eu não lembro.

1.Estudando para a prova de Geometria análitica
Eu fazia faculdade de engenharia. A estupidez já começa daí, porque qual a chance de eu ser uma boa engenheira? Mas ok. Depois de passar um feriado fora e voltar no domingo ressaquenta da viagem, eu decidi estudar para a prova de GA na segunda. Eessa é a matéria mais aterrorizante do 1º ano de eng no IMT. E a gostosa aqui, achando que ia dar um guento na véspera e se dar bem. Horas a fio de estudo e a única coisa que consegui foi ficar mais ignorante e com sono. Foi aí que eu demonstrei toda minha genialidade. Peguei um copo de coca e coloquei DUAS colheres de Nescafé. Mandei pádrento. E fui estrequinada madrugada a fora estudando.
Resultado: não preguei o olho, MESMO! Cheguei as 6h40 na facu virada e com estômago na mesma. Sentei pra fazer a prova e vomitei preto em cima dos exercícios incompreensíveis. Além do vexame, tive que fazer prova substitutiva SOZINHA! Peguei uma DP, claro!


2.Trindade no ano-novo

Não tem explicação no mundo que possa justificar porque eu fiz isso. Mas sei que teve um momento em que eu achei a idéia de acampar em Trindade-RJ, também conhecida como a praia mais farofa do planeta, boa. Um adendo. É uma praia farofa inrrustida que ainda vive com ares de paraíso inexplorado (que fora há 10 anos). E no fim das contas é suja, lotada (muuuitos quévêgent's) e sem a menor infra. No réveillon bota fermento em tudo isso. E eu lá acampando. Gente, o camping tava tão lotado que eu ouvia o cara da barraca ao lado peidando. Não era nem 1h do dia primeiro eu tava na barraca dividindo o fone do iPod com o ex e pensando POR QUÊ eu tava ali.
Resultado: Paraty no dia seguinte e começo de ano com amigdalite psicossomática.


3.Inferno de balada
Eu tava no boteco, feliz (leia-se bêbada), até que veio a proposta de colar numa balada. Tudo conspirava contra, mas eu, que não ouço a segunda voz, fui. Detalhe, não menos importante, as cias eram a minha amiga (que estava anestesiada pelo fim do namoro e topava qq coisa), o cara mais chato do trabalho (e fedido, sério!), e o cara mais chato que conheci (leia-se beijei) na vida!
Resultado: Preciso dizer mais alguma coisa? Ah é, preciso. Ele, o mala do século, quis beijar minha amiga e veio me pedir pra intermediar a parada. É...


4.Matar aula? Só se for agora!

Eu não consigo mentir, assim na lata. Tem que rolar uma preparação. E um dia, na sétima série, decidi matar aula. Acontece que eu já tinha entrado na aula e até respondido chamada. Mas ok, me chamaram e eu fui. Atenção, eu morava numa cidade de alguns mil habitantes e saí pela porta da FRENTE da escola dando tchau pro porteiro que sabia que eu existia antes mesmo de eu nascer.
Resultado: antes das 8h minha mãe já estava ciente do fato e me aplicou um corretivo de um mês sem acesso a nada de bacana nessa vida. E ainda falava pros outros o porquê.

5.Feriado mendigo em Uberlândia-MG
Com 16 anos eu fui pra Uberlândia no feriado com umas seis amigas. Tava guardando grana há milênios para tal folguedo. Daí que o amigo que ia hospedar a gente teve que viajar de última hora e só na rodoviária (na ida) descobrimos que não íamos ter pouso. Ok, tendo a burra cheia de grana o que qualquer pessoa normal faria? Pois é, nós não. Nós fomos e ficamos NA RUA. Exato! Dormimos em revezamento na escada do prédio da Encol (tipo na calçada!). E durante o dia íamos pra casa de uma amiga que morava com a família de 12 pessoas pra tomar banho (e por motivos óbvios não podia nos abrigar). E ainda mentia pros velhinhos da padoca que a gente tava lá pra prestar vestibular na UFU (Universidade Federal de Uberlândia).
Resultado: quatro dias sem dormir, banho na pia da rodoviária, mentira para os pais e 200 reais no bolso na volta. POR QUE, Brasil???

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Imigrantes

Ok, esse é um papo bunda sobre um assunto mais bunda ainda. Mas ok, eu tô a fim de falar disso e caguei se é importante, quente ou interessante pra você. Até porque eu faço esse blog pra mim e tão somente pra mim. (Apesar de obrigar vocês a lerem sob torturas emocionais e enxurradas de links.)

Bom, vamos ao tema bunda. Eu tava no telefone com ela, quando nos tocamos de o quanto a nossa vida era difícil na infância. Digo, nossa vida comunicacional. Tá gente, eu sei que o mundo já teve água avonts e primaveras bem mais primaveris. Mas, por outro lado (Odeio esse termo. Mesmo! Então coloque aqui algo melhor porfa.), a gente pagava MEGA caro pra entrar em contato com quem a gente ama (ou odeia).

Sério! Vocês regulam comigo em idade (há, velhusco!), logo sabem do que tô falando. Nós nascemos no mundo do telefone público e da carta. Público porque era de adm pública. Ou sejE, caro pacarai! Ter uma bolota cinza na sua goma custava os zói da cara. Tanto que era o caso de ligar no vizinho e deixar um recado: avisa que tô passando!

Eu, como fui criada a muito leite com pêra tinha um 621-1788 em casa pra chamar de meu. Quer dizer, meu médio! Ele era mesmo é do Chico Barrigudo que regulava aquela porra a LOT. Meu, ele chegava a tirar da tomada quando eu me empolgava no chat!

Mas o tempo passou, e a coisa evoluiu e do Motorola bagaceira com meia hora de conversação a gente chegou no cuzão do iPhone. E agora quem paga a conta é você, mas ela é absurdamente mais barata e agente pode conversar de QUALQUER lugar. Até por aqui. E como comunicar é o meu forte, (veja, não disse que é bom, só disse que faço com afinco) amo muito tudo isso.

Então vamo que vamo. Trocando Idéia (ruim, é claro) via e-mail, blog, SMS, Twitter, Blip, MSN, gtalk e essa porra toda aí.

Ps.: assim como eu escrevi, leia esse post bunda ao som de Só liguei porque te aaaaamo. Não tem Blip? Vai fazer então, pô! Gente mais século XX!

Ps2.: não não é p play station 2. Só quero dizer que guardo cartas da minha adolescência como provas de que isso um dia existiu. Vou vendê-las no e-Bay.

Ps3.:que título de merda! Aceito sugestões...

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Regras de etiqueta para transportes públicos

Eu pego ônibus e metrô todos os dias. Graças a minha sagacidade de morar perto é só um ônibus na ida e um metrô na volta. Sem baldeaçã! Ok, nem sofro tanto quanto a maioria que cruza a cidade. Passo nem meia hora no busão e menos de 10 minutos no metrô.

Mas acreditem, as pessoas conseguem me irritar como se eu trabalhasse* na bagaça. Fazer o quê? Vou matá? Nãaao, vou inducá. Dá dica, porque ensina é Deus. Vamolá então!

1. Espere as pessoas saírem antes de entrar no metrô:
SÓ, MAS SÓ entre no metrô DEPOIS que as pessoas que estiverem dentro do trem (na frente porta) JÁ estiverem saído. Até porque, um lugar OCUPADO, para ser ocupado por outra pessoa precisa ser DESOCUPADO. A física explica. O mesmo vale para elevadores, ônibus e espaços restritos em geral.

2.Não entupa a porta
Se você não vai descer na próxima estação por que cargas d'água estaciona suas patas na frente da porta? É síndrome de porteiro? Ou você acha que o fato de estar mais próximo da saída fará com que você escape de alguma possível merda? Não! A única coisa que você consegue com isso é empatar a vida de quem vai descer e de quem vai embarcar. Ó que gostoso!

3.Fique na sua mão na escada rolante
Olha, os ingleses não escovam os dentes, mas numa escada rolante são um exemplo a ser seguido. Já nós brasileiros, não sabemos nos comportar nesse meio de transporte. Apesar de TODOS os recados implorando para deixar a esquerda livre pra quem está com pressa, sempre tem um filhadaputa que azeda o curau. A matemática é a mesma das rodovias: quem tá com pressa para esquerda, quem não tá, pra direita.

4.Faça e obedeça às filas:
Se houver fila para entrar no trem todos entrarão. E se não te couber no vagão, não importará o quanto você empurrar, vai continuar não cabendo. A física também explica isso. Portanto, não adianta fazer montinho e ficar encoxando. Pobre adora se encoxar. Saco!

*os funcionários do metrô repetem essas dicas incessantemente e em diversos formatos midiáticos. Mas não adianta NADA!

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Não basta

estar fazendo frio,
ser segunda de manhã,
ter que trabalhar,
ter que pegar ônibus e
este estar lotado,
...
TEM QUE ESTAR CHOVENDO!!!