segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Quando eu não supero a piada...

Gosto de uma fanfarronice. No sentido mais amplo da palavra. Morro de rir de qualquer coisa, quer dizer, quase qualquer coisa. Porque não sou idiota. O importante é que ela tá aqui, no meu coração. E o pior, dependendo de qual é, pode nunca mais vai embora.

E aí eu não supero a piada. Sou capaz de rir de uma mesma anedota por horas, dias, meses, quiçá, pela vida toda. Por isso vou dividir com vocês alguns dos chistes que eu jamais superei:


Os estados brasileiros e as alterações climáticas.

Eu sempre, sempre, choro de rir com essa piada.

LLo

Nem preciso explicar porque né? Insuperável!

Mini panda soltando um espirro
A mãe assusta igual gente. Foda!

Meu amigo Pederneiras.

Sofro com esse crássico!

O aniversário de um ano de Manu Vladimir.
Não importa quantas vezes eu tenha lido esse texto na vida. Eu sempre vou rir! sempre!


Cacófonos em geral (leia rápido):
Está louco de raiva.
Meu palmo olhado aqui de cima tem uns 20 cm.
Chegou há pouco de fora.

PS.: Existe uma grande diferença entre não superar a piada e matar a piada. Gente que mata a piada fica repetindo a pobre até que ela agonize e perca totalmente a graça em uma morte trágica e dolorosa.

3 comentários:

Joaninha disse...

Hoje de manhã eu falei pro Fernando: "Quando chegar à noite vou ver se eu cozinho", e aí fudeu, não parei de rir até agora.

E olha que é a segunda vez que eu faço essa piada com ele. Involuntariamente, é claro!

RodOgrO disse...

AHAHAHHAHAHA

Lara, vc é uma figurinha mesmo! Já vi da onde vc arranja suas tiradas! ;)

gremunhoz disse...

Amiga, continuei rindo de todas... e vi a da mãe panda que pra mim era nova. Adorei, tadica!