quarta-feira, 25 de junho de 2008

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Perdoa te

Percebi que a minha maior dificuldade nessa vida é me perdoar. Fazendo uma análise do meu passado, em toda a linha do tempo, eu percebi o quanto eu sempre sou dura comigo mesma. O quanto tenho medo de errar e depois de encarar meus erros.

Chega a ser contraditório o quão somos capazes de ser tolerantes com os erros alheios, caridosos com os fracassos de terceiros e ridiculamente cruéis quando se trata dos nossos próprios erros.

E se engana quem acha que isso tem a ver com bondade e altruísmo. Nevaaa. Pra mim, isso não passa de uma forma de se redimir por meio da desgraça que não nos atingiu. É a chance que temos de nos sentirmos úteis, fortes e um pouco deuses. Você vê no outro a sua fraqueza e, de certa forma, se dignifica ao tentar dar apoio. Mentira! Porque a fraqueza que você vê é sua.

Quer saber? Ninguém é capaz de ajudar ninguém! Simplesmente, porque não existe terceirização. Ou você se ajuda, ou nada feito. Ou você quer mudar, ou não. É sempre uma questão de escolha.

Sejamos mais honestos com nossos erros, porque é só através deles que podemos ir além. Encaremos nossas próprias mazelas. Aquelas que fazemos de tudo para camuflar. E depois disso, perdoemo-nos e sigamos em frente.

Ninguém consegue sozinho

A separação foi pra mim uma morte e um renascimento que aonteceram ao mesmo instante. Foi o efeito da eliminação de um átomo de medo do ser. Acreditava amar aquele homem, mas aquilo que realmente eu amava era o meu sofrimento e o medo que, àquela altura, tinham se tornado familiares e indolores. Sozinho não teria conseguido jamais.
"Ninguém consegue sozinho."

Dreamer

terça-feira, 17 de junho de 2008

Tu mereces?

Por tempos julgava não merecer
E por isso pensava passar bem sem ter
Simplesmente por medo de perder.

A ironia está justamente no ponto
Em que mesmo pensando não merecer
Nada me impediu de ter.

E tudo que passei a ter
Com a certeza interna de não merecer
Por vezes, ignorando o medo, o medo da perda
Não me impediu também de perder.

De ter perdas de rumo, de juízo, de querer
Viver é antes de tudo perder
Mas antes de qualquer coisa
Tem que se perder o medo de perder.

Tem que saber que a vida
Só pode ser para você nada mais que aquilo
Que julgas merecer.

Não há castigo ou abrigo,
Nem nenhum inimigo no poder
Aliás, o poder só está
Naquele que ousa merecer.

domingo, 15 de junho de 2008

Clarice...

“Trata-se de saber se devo prosseguir nos meus impulsos. E até que ponto posso controlá-los. [...] Deverei continuar a acertar e a errar, aceitando os resultados resignadamente? Ou devo lutar e tornar-me uma pessoa mais adulta? E também tenho medo de tornar-me adulta demais: eu perderia um dos prazeres do que é um jogo infantil, do que tantas vezes é uma alegria pura. Vou pensar no assunto. E certamente o resultado ainda virá sob a forma de um impulso. Não sou madura bastante ainda. Ou nunca serei.”

“Eu disse a uma amiga:
— A vida sempre superexigiu de mim.
Ela disse:
— Mas lembre-se de que você também superexige da vida.
Sim.”

sábado, 14 de junho de 2008

O rancor e os tempos modernos II

-Eu liguei pra ele depois que descobri tudo pelo Orkut.
-E ele?
-Ele desligou na minha cara.
-JURA?
-Sim! E de quebra me mandou um e-mail falando pra eu não ligar nunca mais!
-Gente! Que pesado!
-Pesado é o ódio que tô sentindo...


-Ele veio me xavecar no MSN. Com um papinho mole.
-Aquele otário?
-Ele mesmo! Mas ah! Eu não tava fazendo nada, dei corda pra ver até onde ia.
-E aí?
-Aí ele me chamou de louca. E disse que pego pesada quando fico puta. Que fiz isso com meu ex...
-Mentira? E você?
-Soltei o canil em cima dele! Fiz ele se arrepender de ter nascido.
-Hahahhahaha, que cara idiota! Por que ele vem te cantar e te agride?
-Pelo mesmo motivo que eu não tenho cenouras no lugar de dedos.


-Ele tava me cantando no MSN há meses. E eu na minha.
-E aí?
-Aí um dia ele falou que tava com uma puta vontade de me ver. E eu falei: então vamos marcar alguma coisa.
-E ele?
-Ele falou: pega leve mina!

-Depois de três meses ele me chamou no MSN.
-E o que ele queria?
-Além de me agredir? Queria justificar a presepada (broxada) do último encontro.
-E você?
-Ah! Bloqueei, né?


-Meu ex me ligou depois de um ano!
-Séeeeeeeerio! Tô passada a ferro industrial! E aí?
-Voltamos a nos falar. Já trocamos uns 38 e-mail. Até música ele me mandou.
-E aí?
-E aí nada! Quando perguntei qual era a dele ele disse que eu sempre estrago tudo.
-Ok!

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Acidente? Mentira!

Na vida não existe acidentes ou má sorte. Simplesmente porque tudo aquilo que chamamos de acidente é obrigatoriamente precedido por uma decisão estúpida. Ou no mínimo impensada.

Duvida? Então assista a alguns vídeos no estilo cassetadas dominicais. Toda merda que acontece é resultado de outra merda. Ou faça um retrospecto da sua vida e avalie.

O piso tá molhado você passa correndo, leva um tombo, cai quebra os dentes.
Acidente?

Vai rolar uma viagem SUUUPER barata no feriadão com a galera, numa ilha paradisíaca, sem energia elétrica e sistema urbano de esgoto. Você vai, passa raiva, dorme e come mal e pega trânsito na ida e na volta. Acidente?

Você mora em São Paulo, a cidade que não para, a maior metrópole da America Latina, onde se pode saborear comida tailandesa a qualquer hora (mentira) e com uma população de dez pombos por habitante (segundo avaliação própria). Uma delas caga na sua cabeça. Acidente?

Você assina um contrato com uma empresa de telefonia com mil horas de conversação a 0 centavos o minuto sem carência. NUNCA mais na vida, nem que você tenha mudado para um reino far far way, você consegue cancelar o contrato e o seu nome vai parar no Serasa, SPC etc. Acidente?

Você conhece um (a) mavon, todos os seus amigos falam que a idéia é ruim. Você insiste e abraça a causa como se não houvera amanhã. Se fode lindamente de verde, amarelo, azul E branco. Acidente?

Nem fodendo!

Meme

Post altamente chupinhado do Ogro sem a menor autorização. Mas vale a pena propagar.

Um meme é uma brincadeira online tipo corrente (é, o nome é cretino, mas pode ser divertido pra quem tem tempo). Nesse, por exemplo, você pode descobrir aleatoriamente o nome da sua banda, o título e a capa do álbum. Tipo loteria, mas sem prêmio em dinheiro. Tá coçando? Vai lá e faz o seu.

Mas como eu sou sem vergonha mais nem tanto, pra descobrir como fazer seu memê cola no brog dele...rsss.

PS.: você deve estar se perguntando cadê o meu memê né?! Pois é, a minha incompetência photoshopística não permite que eu monte o meu disco! Águém se habilita?

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Desde que o samba é samba é assim...

A tristeza é senhora,
Desde que o samba é samba é assim
A lágrima clara sobre a pele escura,
a noite e a chuva que cai lá fora
Solidão apavora,
tudo demorando em ser tão ruim
Mas alguma coisa acontece,
no quando agora em mim
Cantando eu mando a tristeza embora

O samba ainda vai nascer,
O samba ainda não chegou

O samba não vai morrer,
veja o dia ainda não raiou

O samba é o pai do prazer,
o samba é o filho da dor
O grande poder transformador

domingo, 8 de junho de 2008

Fazer caber...

Recentemente eu comprei uma Melissa. Um modelo de inverno, flocadinho, de salto, uma graça! Mas foi usar uma vez para vir o desespero. A droga do sapato me machucou tanto que eu não consegui passar meio período do dia com ele. A numeração tava correta, mas ainda assim massacrava meus dedos. Era duro de mais. Uma tortura.

Mas eu tava tão afim dele que fiz de tudo e consegui trocar por um número maior. Pra minha surpresa não adiantou nada! Agora, além de me machucar, ele fica saindo do pé.

Conclusão, se algo na sua vida não está servindo, não adianta tentar fazer caber. Por mais atraente que a idéia possa parecer. As coisas realmente bacanas simplesmente fluem. As pessoas queridas passam a fazer parte da sua vida naturalmente, sem precisar forçar a barra.

As poucas vezes que tentei fazer algo caber na marra as consequências foram bem parecidas com as do caso da Melissinha. Prejuízo, decepção, frustração e dor, só que nem foi no pé.

sábado, 7 de junho de 2008

Tirou partido de mim...

Eu odeio deprê! Não gosto, não acho digno, não acho necessário. É sério! Sempre fui do tipo que acha que vale a pena sorrir (não como a Solange Frasão). E o melhor jeito de lidar com os momentos bizarros e vê-los como momentos. Que passam!

Talvez por isso, pra mim, o samba é transformador. Assim como o amor, ele é capaz de fazer do drama uma melodia feliz. Por isso, na dor cantada em versos com alegria, no grito estridente da cuíca e no choro surdo do cavaco e vou digerir tudo e superar aquilo que só quem já viveu reconhece.

Mas são tantos os sambas que definem o que eu sinto agora, que nem sei qual deles dividir com vocês. E assim como todo o resto, é preciso compartilhar, fazer um drama, receber atenção, consolo e seguir em frente. Essa é a vida.

Por isso, e só por isso, segue a minha seleção:



"Mas não faz mal
É tão normal ter desamor
É tão cafona sofredor
Que eu já nem sei
Se é meninice ou cafonice
O meu amor"





"Agora sei
Desfilei sob aplausos da ilusão
E hoje tenho esse samba de amor, por comissão
Fim do o carnaval
Nas cinzas pude perceber
Na apuração perdi você"




"Hoje eu tenho apenas uma pedra no meu peito
Exijo respeito, não sou mais um sonhador
Chego a mudar de calçada
Quando aparece uma flor
E dou risada do grande amor
Mentira"





"Apesar de tudo existe
Uma fonte de água pura
Quem beber daquela água
Não terá mais amargura
Oh!..."




"Tem sempre o dia em que a casa cai
Pois vai curtir seu deserto, vai.
Mas deixe a lâmpada acesa
Se algum dia a tristeza quiser entrar
E uma bebida por perto
Porque você pode estar certo que vai chorar"




"Se algum dia eu encontrar
Um novo amor
Hei de ter amor pra dar
Amor e paz
Por isso eu vou
Guardar meu peito
Até quando por direito
Este amor chegar"


E pra finalizar...o hino do rancor...


É, as coisas mudam...por mais que a gente não queira aceitar.
:-{

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Fim!

Há alguns meses eu postei essa música aqui, mas hoje ela está fazendo bem mais sentido. Metafóricamente falando, claro!

Não Vou Ficar
Tim Maia

Há muito tempo eu vivi calado, mas agora resolvi falar
Chegou a hora, tem que ser agora, com você não posso mais ficar
Não vou ficar, não
Não posso mais ficar, não, não, não

Toda verdade deve ser falada e não vale nada se enganar
Não tem mais jeito tudo está desfeito e com você não posso mais ficar
Não vou ficar, não
Não posso mais ficar, não, não, não

Pensando bem
Não vale a pena
Ficar tentando em vão
O nosso amor não tem mais condição, não

Por isso resolvi agora te deixar de fora do meu coração
Com você não dá mais certo e ficar sozinho é minha solução
É solução, sim
Não tem mais condição, não, não, não

domingo, 1 de junho de 2008

E agora?

Essa é a mina:

Fim de semana bacalhau

Nesse finde a temperatura caiu uns 15 graus. Lógico que com esse frio pra mim é impossível sair de casa. Logo, o que me resta é comer feito uma louca e dormir. E como eu gosto de inventar moda na cozinha lá fui eu fazer pratos calóricos. Segue a receita conforme o combinado (sem medidas, é claro):

Escondidinho de bacalhau

Ingredientes:
Bacalhau desfiado
Batatas
Azeitonas
Tomate
Alho
Margarina
Cheiro verde
Pimenta
Mussarela

Preparo:
Dessalgue o bacalhau beeeem, trocando a água umas 100 vezes. Depois desfie, tire os espinhos e a pele e refogue no azeite com alho e pimenta. Deixe cozinhar para ficar macio. Junte o tomate e as azeitonas. Deixe secar um pouco da água, mas cuidado para não ficar muito seco e endurecer. Acrescente o cheiro verde picado. Reserve esse refogado.

Cozinhe as batatas com alho, talos de salsinha e sal. Depois amasse-as como se fosse fazer um purê. Tempere com margarina e acerte o sal.

Coloque o bacalhau em uma forma e cubra com o purê de batatas. Depois forre com o queijo e leve ao forno médio para gratinar.

Pronto!
Quem não come bacalhau pode usar a criatividade e substituir por frango, carne moída e até carne seca.

Manda ver que fica géliça!
;-)