segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Mulheres falam..

Eu sei que todo mundo fala, mas nós mulheres falamos MESMO. A gente fala quando tá triste e fala mais ainda quando tá feliz. O lance é externar. Não interessa o que.

Não, não é fofocar. Homens também fofocam, até mais do que mulheres. Aliás, a fofoca move o mundo, ajuda a fechar negócios e gerar divisas. Eu não escolhi tal profissão por acaso. Afinal, quero brevê pra fofocar.

Mas aqui o tema é outro, estou falando só do simples hábito de abrir a boca e deixar as palavras fluirem como música. E esse dom nós, enquanto gênero, temos. Ah se temos.

A gente fala do tempo, da falta dele, de óvinis, novela, cientologia e futebol. Vamos do PAC ao SPFW sem escala. Falamos bem, falamos mal, falamos! Na feira, no cinema, na lixeira do condomínio.

É como se a necessidade de compartilhar o que passa na nossa mente fosse mais forte do que todo o bom senso que nos foi passado. E aí vamos nós, mostrando para o mundo tudo que nos atinge. E até o que não passa nem perto.

E olha, quando você vê uma mulher calada, das duas uma: ou ela está MUITO, mas MUITO chateada, a ponto de não querer nem dividir o sofrimento (e está só esperando que você pergunte o porquê do silêncio) ou ela está no MSN.

Já os homens não têm essa necessidade. Acho incrível como eles tem o dom de se calar. Isso pra mim é quase mágico. Já que sou um ícone falador do gênero (sim, eu falo mais que a média).

Quando eu fazia engenharia (sim, eu fiz engenharia por três anos e meio) tinha algumas aulas que eu assistia com a turma dos meninos. Ou seja, todo o resto da faculdade que não havia optado por eng de alimentos. Nesse momento eu pude perceber essa peculiaridade da natureza humana.

Na aula de Cálculo 2, da turma de eng macânica, a proporção era três por quarenta (3 mninas para cada 40 meninos, sendo que tinham SÓ três meninas). Duas delas eram absolutamente nerds, em todos os sentidos que essa palavra possa ter, e a outra era eu. Deus! Nunca me senti tão só! Ninguém naquele ambiente abria a boca pra falar! A não ser que fosse algo sobre derivadas e integrais.

Eu me pergunto: como eles conseguem ficar absolutamente calados por 50 MINUTOS??? Lógico que abandonei a engenharia e fui em busca do meu brevê (aquele pra fofocar).

Acho que é uma questão de genética, ligada ao cromossomo X da falta de foco. O mesmo que nos dá a capacidade de parir e fazer sexo ao mesmo tempo. É gente, nós mulheres somos multimídia, fazemos mil coisas simultâneas. Somos capazes de fazer o jantar lavar a roupa e fechar um projeto das 19h às 23h. Enquanto os homens precisam de 100% foco.

É isso, nós somos stereo e eles são mono. Ponto!

PS.: Eu falo que não, mas adoro questões sexistas!

;-)

4 comentários:

Greice disse...

Sister, o grande lance é esse mesmo. O que falta pra gente, está neles, e vice-versa. Se topeiras e topeiros compreendessem que é preciso unir forças, não ficariam competindo à toa. Mas também se já tivéssemos aprendido, não estaríamos neste planeta. Estaríamos em Marduk, com nossos corpos híbridos, esguios, altivos, morenos, de cabelos ruivos e olhos azuis, sem corpo astral, sem chama-gêmea separada... ai, ai, ai, eu quero voltar pra casaaaaaaaaaaaaaaa! kkk Aqui, neste corpinho de mulher terráquea, eu não só falo, como escrevo em demasia, ahahahah. É NÓIS(A)!

Greice disse...

Em tempo: nada a ver, mas já que esse blog é verde, quero comunicar que, segundo o site Ócio Criativo, HOJE é o dia do menino verde. Tá legal, é só na Normandia que os malucos comemoram, mas quem pode nos impedir de comemorar? Se estiverem afins, basta pegar 9 folhas, desenhar rostinhos de criança nelas, colar numa folha de papel e colocar na sua porta pra dar sorte. Só vale hoje! ;-))

Camila disse...

Eu perco cada oportunidade de ficar quieta... rs

Marcos Laercio disse...

O problema não é que as mulheres falam muito - ou melhor, nao é SÓ que as mulheres falam muito - mas é pq elas falam alto pra caraio! Observem e façam um experimento cientifico embasado nas melhores e mais avançadas técnicas metodologicas: juntem 2 mulheres e nada mais. Garanto que sairá mais barulho do que com 10 homens juntos - especialmente se elas forem 2 amigas de infancia que nao se veem há muito tempo...assim que elas se virem, ja vao soltar um sonoro "aaaaaahhhhhhhhhhhhhhhh, que bom te ver, que saudades" que qualquer bom timpano ira se sentir estuprado. Logico que quando elas lembrarem dos namoradinhos de infancia, será uma nova sessao de gritos e risadas semi-histéricos... e finalmente, na hora da despedida, adivinha?mais gritos que eu sempre penso em fazer morfina nelas (logicamente que essa despedida durará 30 novos minutos e mais uma vez, com gritos).
Enfim, eis o mundo feminino da falaçao incessante.
mas lari, ainda assim, eu gosto de ti, tá?