segunda-feira, 14 de maio de 2007

Velha infância

Esse post começa com um plágio dos Tribalistas. Aquela fase punk em que Marisa, a Monte, resolveu andar com Brown, o Carlinhos. Mas ok, a gente já superou. E o termo se encaixa. Logo, eu simplesmente plagiei. Sem dó!

Isso porque o post é uma homenagem ao meu fim de semana. Um fim de semana que encontrei meus amigos de infância. Foda!

Faz bem saber que existem no mundo pessoas com as quais eu fico sem falar por um, dois, três anos e quando as encontro é como se nada tivesse mudado desde o ponto em que partimos, um da vida do outro.

É uma sensação de estar em casa. As piadas ainda funcionam, as músicas ainda emocionam e a intimidade é a mesma. Com esses amigos não precisar explicar, justificar ou ter tato.

Os amigos de infância te enxergam através do que você se tornou. Dentista, cientista, jornalista, advogado, publicitário, médico, marido ou esposa. Para eles você continua sendo aquele mesmo bobão. Que tinha medo do mundo, da vida, dos outros. E ainda assim ele te abraça e quer saber de você como se nada nunca os tivesse separado.

Como é boa essa sensação! E é por isso, que sempre andarei quilômetros para vê-los, revê-los e sentir, que por mais que eu tenha crescido ou pense que minha vida tenha mudado, ainda existe no mundo gente que conhece a minha essência.

Essa é pra vocês Companheiras Isoldas e Los amigos!

;-)

7 comentários:

Camila disse...

Aaaaaaaah que lindo!!! Sei exatamente o que vc ta dizendo, cada vez q encontro minhas franguinhas... afinal, só elas podem virar na frente de todo mundo e contar "a Camila tinha medo da loira do banheiro". É a tal da informação (relevante ou não) que só os amigos de infância possuem.

Joana disse...

Ahhhhhhhhhhhhhhhhh, quanta fofisseeeeeeeee!

Simplesmente AMEI!

Lígia disse...

Oi que saudade!!!Estou louca para saber desse encontro que pena que não pude participar!!!
Um beijão
Lígia

Greice disse...

Que muito fofa... apesar de a minha infância estar mais para Legião Urbana - já morei em tanta casa que nem me lembro mais - eu também sinto essas coisas todas. Hoje mesmo tava fazendo um flashback com colegas de trabalho durante um café, onde cada um contou um pouco de sua história. Quem diria que até o orkut me reaproximaria de amigos de infância e aborrescência...

Lenissa Lenza disse...

ah Lá... como você é linda! Me emocionei sua boba! Como é bom saber que fiz parte da sua infância e como a gente sempre falou: as isoldas realmente foram a melhor educação que tivemos. Independente do caminho que cada uma seguiu, foi essa base que me deu força pra seguir em frente com os meus propósitos e ideais. Por isso eu digo: Isoldinhas, cada uma de vocês foi parte essencial do meu crescimento como ser humano. E Larissa, tu em especial, que sempre conviveu com meus dramas e piadas e + ideias... eu AMO MUITO VOCÊS!***

Anônimo disse...

Nick, só quem viveu sabe a emoção q sentimos e como esse findi fez bem para minha alma!!! Repetirei sempre q puder e perderei mais vôos se for preciso mas valeu a pena ( plagiando o Rappa)!!!
Amei ter ficado 5 hrs no bus conversando c vc! Bjos

Évelin disse...

Nick, só quem viveu sabe a emoção q sentimos e como esse findi fez bem para minha alma!!! Repetirei sempre q puder e perderei mais vôos se for preciso mas valeu a pena ( plagiando o Rappa)!!!
Amei ter ficado 5 hrs no bus conversando c vc! Bjos