terça-feira, 1 de maio de 2007

O peso da Alma

Que ousadia, quiçá até abuso da minha parte querer ser Clarisse. Siiiim, a Lispector mesmo. Mas que eu queria, eu queria! Fazer o quê? Acho até que não estou sozinha nessa...

A verdade, pelo menos para mim, é que escrever é incrível! Ordenar magicamente as palavras em um papel (nem que seja digital) simplesmente para por pra fora o que se pensa ou sente. E assim alimentar a ilusão de eternizar tudo.

É bem diferente de falar. A fala é exposta, mutante e do mundo. Mas a escrita é contida e, mesmo que anônima, sempre tem dono. E por mais que seja lida e relida, não se desgasta. Pelo contrário, se fortalece, reafirma, vinga!

Ai como eu amo escrever! Mesmo que seja errado, mesmo que sejam devaneios bobos. Mesmo que eu tenha a plena consciência de que não sou Lispector.

Eu só quero vomitar letrinhas despretenciosamente e de quebra, ver que uns poucos (e bons) se identificam.

;-)

Segue o trecho que inspirou o nome do post:

"Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros."

10 comentários:

Joana disse...

Ai, como é boa essa mulher! Todas nós queríamos nem que fosse um pedacinho dessa sensibilidade...

Anônimo disse...

Pra mim escrever sempre foi um parto. Sai bem, mas requer muita atencao. So que tomando Ritalina a coisa fica bem mais facil. Eu recomendo.

Abracos,
Pedro

Pherdna disse...

To ficando besta de ver o que essa menina tá fazendo aqui. Só dá orulho de ser irmão dela! Bjo

Camila disse...

Escrever limpa a cabeça e sossega o coração!

Merso disse...

Olha... vou te contar...
Essa menina mulher da pele preta tá mandando muito, mas muito bem.
Tô com mutcho orgulho tb...

Pokema disse...

Olha, eu bem que queria escrever bem..mas na hora sempre me faltam palavras! Acho que sirvo mais pra fazer perguntas impertinentes...

Roberto disse...

eu so digo uma coisa pra vcs, caros amigos:
EU JA SABIA!

Léuzito disse...

li uma vez um artigo sobre uns caras q tentavam provar que a alma humana tinha peso físico que podia ser mensurado. os caras partiam do fato de que uma pessoa morta pesa alguns gramas a menos do que quando viva. a teoria furou quando descobriram que esses gramas a mais se referem ao ar que temos nos pulmões enquanto vivos e que se vão quando morremos.

a pergunta que não quer calar agora é: o que tem esse comentário a ver com o conteúdo do post (que, por sinal, foi muito bom)?

... Léuzito...

disse...

Que bom momento nos proporciona o indivíduo que se entrega à criação. Falando sério, só tenho o que contemplar nas suas palavras tão honestas. Mas pensar que é bom por interferir no mundo, nos leva a pensar em mais do que a pura e simples poesia. a Ficção. Trazer essas palavras com toda a força pra realidade, faz de tu, sábia. No meu ponto de vista.

Te amo. mesmo.
;*

Greice disse...

Hoje estou tensa. Tensão de quem teve pesadelo e ainda não acordou, embora esteja no trabalho, you know. Tudo que fiz até agora foi apagar e marcar spams não detectados pelo anti-spam, ler um texto do Quintana e agora sentar no puf verde pra relaxar. Só posso dizer que você e Clarisse são demais. Repare na fonética Clarisse, Larissa... risos. O lance do peso imaterial só reforça minha ira contra os céticos, kkk. muitos beijos, minha Lars, que eu enxergo, modifico e admiro cada vez mais! ;-p