sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Meu ódio é o melhor de mim

Esse post, é de abril, mas acordei com ele na cabeça hoje. Ou melhor, fui dormir com ele na cabeça ontem! E me deu vontade de republicar. Porque sim, meu ódio é o melhor de mim! E é nele que eu me apego quando a coisa aperta! Segue...

Ok, é meio agressivo esse título, mas o tema desse post é justamente esse. Pode ser também fúria, raiva, ira...Chame do que quiser! Existe uma gama de nomes feios para definir esse sentimento.

Mas se você analisar melhor, ele nem é tão feio assim. A raiva move as pessoas, faz a roda girar. Por exemplo, quando você está aprendendo a andar, leva um tombo, fica puto e se esforça para não cair mais. E assim ganha equilíbrio e vai para vida como um bípede.

Se emputecer é essencial. A gente precisa ser agressivo para ter coragem de sair da cama todo dia, enfrentar (não é por a caso que o termo usado é esse) o trânsito, o trabalho, as pessoas e os problemas que elas causam.

Quando você se decpciona com algo ou alguém o primeiro sentimento que vem é o de indignação. E é ela que te faz querer mudar tudo e te empurra pra frente, deixando o motivo do sua ira para trás.

Mas oh, eu não estou falando de rancor, mágoa e afins. Esses só fazem com que você se acorrente mais ao que te machuca. Mas a falta de indgnação pode causar apatia e gerar assassinos de cinemas, escolas e universidades.

Por isso, que hoje meu nick é esse, bem agressivo e humildemente chupinhado do grande Drumomnd:

"Porém meu ódio é o melhor de mim.
Com ele me salvo
e dou a poucos uma esperança mínima."


;-)

11 comentários:

Joana disse...

Uma salva de palmas: clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap!

Camila disse...

ótima visão de um sentimento.
É pra isso q sentimos raiva e qdo a consequencia dela é uma coisa boa (como aprender a ser bípede, afinal andar com a bunda pra cima seria um problema)ela é ótima. Nem de longe é uma coisa ruim. É só tomar cuidado com a consequencia da sua raiva que ta tudo certo.
E, seguindo a linha, a citação (não sei de quem) que mais gosto é: "qdo eu sou boa, eu sou boa, mas qdo eu sou má, eu sou ótima."
Essa foi minha sentada do dia.

ladybug disse...

concordo concordo: o que importa é ter a alma boaa, e focar na raiva que roda a engrenagem!

delícia de ler. adorei adorei

(impressão minha, ou as palavras de validação estão maiores e mais complexas?)

Pherdna disse...

Puta merda! para esse post mais do que nunca: S-O-M-O N-O-Z-E-S!!!!

Roberto disse...

sentimentos extremos sao explosivamente sinceros

GUILHERME disse...

medo

Greice disse...

Huahuahua, só eu mesmo, quero pegar o bonde andando e ainda sentar na janela... esse pessoal que fica estudando planos de ocorrência, probabilidades e universos paralelos fica achando que para cada post tem um puf de uma cor, e coisas do gênero. Fora o fato de eu estar me tornando cada vez mais repetitiva, usando sempre a mesma frase pra te elogiar, feito uma tia véia de 33 orgulhosa e lacrimosa de sua cria... perdoe-me my love!

fabinho disse...

esse é minha cara. tipo pula-pirata. de tanto puxarem meu tapete, acabo dando o pulo do gato... falou bem, viu? rancor e mágoa são regressivos.
beijos.

Cubo Card disse...

Caramba! Disse tudo. Mesmo. O ódio é o extremo do amor. Ambos são os sentimentos mais originais do mundo: àqueles que guardam todos os outros, ou melhor, que aclopa. O ódio faz com que não tenhamos mesmo apatia ou simplesmente ignoremos o mau caratismo do mundo por um falso "amor" de política da boa vizinhança. Sim! tem gente que prefere "deixar pra lá" algo que não faz bem às pessoas pra não ter que "brigar" com o agente malfeitor. oras. isso está longe de ser amor, ou de paz. Isso é velar o que não pode ser escondido. Façamos bem para a humanidade. E isso só pode acontecer quando fazemos a nós mesmos e nossos grupos. Estou contigo, Drumond e quem mais quiser fazer do ódio, força motriz da honestidade. Fo-da. ;*

Caroline disse...

Segundo a Greice, nós duas formamos a dupla mangueirense: o blog de uma é verde e o da outra é rosa. Se lembrarmos que o esplendor da Estação Primeira já foi premiado inúmeras vezes no Carnaval, devo acreditar que a comparação tenha sido usada porque formamos uma dupla de sucesso!
Ah, e eu conheço bem esse combustível aí sobre o qual você escreveu. E olha que funciona, hein! Parabéns pelo blog.

Marcos Laercio disse...

Adorei o post (novidade!)
A grande questao é que na nossa orientaçao catolico-apostolico-umbandista-espirita-evangelica-budista-taonista-americanicista-materialista-romana da vida, nós sempre tendemos a nos recriminar pelo odio que sentimos.
Concordo que idealisticamente falando, deveriamos ser brandos e pacificos...mas sim, sao esses sentimentos maléficos humanos que nos levam a reivindicar, a reformar - desde que bem direcionados. Uam coisa é vc ficar puto pq errou e fazer de tudo pra nao errar mais ...outra é vc ficar puto pq errou e dar um tiro na cara do motorista do lado que te fechou na 23 de maio.
Finalmente, aceitar que somos humanos - e consequentemente, sentimentalmente humanos - é a grande formula pra de um sentimento "ruim" (mas necessário)tirarmos o melhor proveito na vida...como tudo e em qualquer aspecto da vida, há essa dubiedade que só quem direciona somos nós mesmos.
A energia atomica pode tanto ser utilizada para melhoria de uma sociedade quanto pra matar milhoes de pessoas na forma de uma bomba; Por isso, parafraseando o smurf Ranzinza, "eu odeio amoras silvestres!"